(21) 3529 1007 contato@ammadvogados.com

Em entrevista ao Extra, o sócio Leandro Antunes, especialista em direito do trabalho, comenta como compensar horas não trabalhadas nos dias dos jogos do Brasil na Copa.

A Copa do Mundo da Rússia vai começar em quatro semanas, e muitos profissionais ficam na dúvida se vão ter que trabalhar normalmente nos dias dos jogos da Seleção Brasileira. De acordo com a lei, as empresas não têm a obrigação de liberar os funcionários. Mesmo assim, companhias de diversos segmentos adotam horários especiais e expedientes reduzidos nos dias das partidas do Brasil. A advogada Ursula Cohim Mauro, mestre em Direito do Trabalho pela Universidade de São Paulo (USP), explica que o empregado tem o dever de trabalhar normalmente, mesmo na hora do jogo: — Em geral, os empregadores fazem acordos informais, em que os funcionários são liberados um pouco mais cedo ou começam o expediente mais tarde, quando o jogo ocorre de manhã. Esses acertos costumam prever uma compensação, ou seja, que o empregado fique mais tempo no trabalho no dia seguinte, por exemplo. Para a sócia do escritório Robortella Advogados, o ideal é que os gestores emitam um comunicado estipulando os horários e os procedimentos que serão adotados em dias de jogos do Brasil: — As empresas que liberarem os funcionários para as partidas poderão abonar essas horas não trabalhadas ou exigir que essas sejam compensadas depois, no mesmo dia ou no mesmo mês. O que diz a reforma trabalhista Quando há um sistema de banco de horas, é preciso ficar atento às regras de cada empresa, pois, com a reforma trabalhista, os prazos para a compensação foram flexibilizados. Quando o trabalhador fez a negociação de banco de horas diretamente com o patrão, a compensação das horas extras deve ser feita no prazo máximo de seis meses,...

Em entrevista ao Extra, o sócio Leandro Antunes, especialista em direito do trabalho, comenta sobre empresas não poderem exigir de candidatos a emprego mais de seis meses de experiência.

Uma lei garante que o empregador não pode exigir do candidato a emprego comprovação de experiência prévia por tempo superior a seis meses no mesmo tipo de atividade. Apesar de estar em vigor desde 2008, a regra ainda é desrespeitada por empresas e desconhecida por muitos profissionais. O tema voltou a ser discutido após um post publicado no Facebook do Senado Federal sobre o assunto pegar muitas pessoas de surpresa, na semana passada. Nos comentários, muitos desempregados lamentam que algumas empresas exigem experiência de um, dois ou até cinco anos na função. Doutor em Direito do Trabalho e professor de pós-graduação da PUC-SP, Ricardo Pereira de Freitas Guimarães explica que a lei trabalhista 11.644, de 10 de março de 2008, acrescenta um artigo à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e limita a experiência exigida em seis meses para evitar a discriminação: – Nos anúncios, as empresas não podem colocar o tempo de experiência superior a seis meses, mas, na prática, continuam podendo contratar aquele candidato que consideram mais preparado, seja pelas experiências no currículo ou pela formação necessária – explica o advogado trabalhista. Advogada especialista na área trabalhista, Renata Bonet explica que quem encontrar anúncios que não se adequem à norma pode fazer uma denúncia no Ministério do Trabalho. – Essa lei não necessariamente surte o efeito necessário, porque a empresa pode escolher o profissional que quiser na análise de currículo. Por isso, a lei perde um pouco a função de existir. Coordenador técnico da Pós-graduação em Direito e Processo do Trabalho do Ibmec-RJ, Leandro Antunes explica que surpreende os alunos nas salas de aula quando cita esse...

AMM Advogados na Mídia! Mais uma vez o sócio Leandro Antunes é entrevistado sobre a ação trabalhista que as viúvas do Chapecoense movem em face do clube.

VIÚVAS DO CHAPECOENSE ENTRAM COM AÇÃO TRABALHISTA CONTRA O CLUBE. ADVOGADO TRABALHISTA LEANDRO ANTUNES COMENTA SOBRE O ASSUNTO 18 de março de 2017 Arquivo Pessoal Quatro meses após acontecer o acidente com o avião que levava a equipe do chapecoense cair na Colômbia, que deixou 71 pessoas mortas entre jogadores e profissionais da imprensa, algumas viúvas entraram com ação contra o clube por não concordarem com acordos e valores pagos de indenizações dos seus falecidos. Todas as famílias dos jogadores já foram indenizadas pela confederação, elas querem receber direitos de imagens, premiações e alegam querer pensão por danos morais e entendem que o ocorrido foi acidente de trabalho. O advogado especialista em direito trabalhista Dr. Leandro Antunes, sócio no escritório  Antunes & Mota Mendonça Advogados esclarece algumas dúvidas ao site Vitrine esportiva. VE: O clube Chapecoense nega responsabilidade com o acidente e afirma que o pagamento é feito pelo valor pago em carteira? E como a justiça deve se posicionar? Dr. Leandro Antunes: O clube na verdade alega que a responsabilidade pelo acidente não é dele, mas sim da companhia aérea boliviana Lâmia. O clube entende que já pagou todos os direitos devidos, eis que se baseou exatamente no previsto na carteira de trabalho. VE: O acordo que foi proposto às viúvas pela seguradora, não seria melhor aceitá-lo do que entrar em uma briga judicial? Dr. Leandro Antunes: A grande questão é que as viúvas entendem que são detentoras de quantias bem maiores do que as oferecidas/pagas. VE:Quais são os direitos dessas viúvas? Dr. Leandro Antunes: Em nível de direitos trabalhistas, elas receberam as verbas indenizatórias devidas, direito de imagem,...